Fique Atento: Dirf

Fique Atento: Dirf

A Dirf informa ao fisco quanto foi pago de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRF) sobre a folha de pagamento. Informa também os valores retidos de pessoas jurídicas, como um meio para que a Receita Federal possa fiscalizar se as exigências do Imposto de Renda estão corretas. As empresas devem, sempre no começo do ano, informar ao fisco quanto de dinheiro do Imposto de Renda foi retido na fonte, de cada um de seus funcionários, durante o ano anterior e para isso, devem ser considerados os colaboradores que se enquadram nos critérios estabelecidos, como os que tem salário igual ou superior ao limite indicado pela Receita Federal.

A empresa que vai fazer a declaração deve informar os quatro valores abaixo (em reais e com centavos) para a Secretaria da Receita Federal do Brasil através do Programa Gerador de Declarações da Receita Federal.

  1. Rendimentos pagos para pessoas físicas domiciliadas no Brasil, inclusive os isentos e não tributáveis.
  1. Pagamentos para plano de assistência à saúde, incluindo o CNPJ da operadora.
  1. Pagamento, crédito, entrega, emprego ou remessa a residentes ou domiciliados no exterior, mesmo sem a retenção do imposto, incluindo os isentos e sem alíquota.
  1. Valor do imposto sobre a renda e/ou contribuições retidos na fonte, dos rendimentos pagos ou creditados para seus beneficiários.

Dados como nome e CPF de cada um dos funcionários, salários respectivos, mês de pagamento e código de operação devem ser apresentados. Se o colaborador for uma pessoa jurídica, devem ser apresentados seu nome empresarial e CNPJ.

Para conhecer as regras e também o prazo de entrega da Dirf, o correto é observar no site da Receita Federal. A data limite para a declaração sempre acontece dentro do mês de fevereiro de cada ano.

Depois de fazer a declaração para a Receita Federal a empresa precisa informar seus funcionários, dentro do mesmo mês, através de um relatório, detalhes sobre o total recebido, pagamento, deduções e retenções que aconteceram durante o ano anterior.

Quando é a vez dos funcionários fazerem a declaração do Imposto de Renda como pessoa física, os dados são cruzados e, caso não batam e apareçam inconsistências, a Receita Federal pode intimar o contribuinte para prestar esclarecimentos. Se o erro for comprovado o contribuinte pode cair na malha fina. Se a falha for da empresa, ela pode pagar multas altas por erros ou omissões.

A empresa que não apresentar a declaração ou apresentar com informações erradas, incompletas, ou entregues depois do prazo, deverá arcar com as multas com juros previstas no art. 1º da Instrução Normativa SRF nº 197, de 10 de setembro de 2002.

Apenas o microempreendedor individual (MEI) que não ultrapassou o limite anual de R$ 60 mil que não precisa declarar.

As obrigações empresariais destinadas a informações ao governo federal são de extrema importância pois a sua falta ou equívoco nas declarações acarreta em multas altas. Por isso, entre em contato com a ETECON para saber o que podemos fazer para que sua empresa fique segura em relação à declarações e obrigações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *