• 12 3144-1352
  • etecon@etecontabil.com.br

Arquivos por mês 23 de setembro de 2019

Contabilidade à distância dá certo?

Há uma década atrás essa pergunta apresentada no título do texto era muito repetida, porém, trocando “contabilidade” por “namoro”. Hoje a resposta é mais que óbvia: namoro à distância tem tudo para dar certo se os namorados fizerem dar certo.

Alusões e metáforas a parte, nos últimos tempos a Contabilidade vem se modificando e uma das novas tendências é a queda da barreira geográfica em nossa área. Isso se dá pela unificação global da Contabilidade, equiparações legislativas entre estados, transformação digital e automação dos processos através da internet e informática e, principalmente, elevação do nível dos profissionais contábeis. Se todas as outras coisas tivessem acontecido sem que a profissão contábil tivesse se elevado, o limite físico ainda seria empecilho para que parcerias deste tipo acontecessem.

O serviço terceirizado de contabilidade é contratado basicamente por dois fatores: a) resultado entregue pela equipe contábil ao seu cliente; e, b) valor que o contratante está disposto a pagar para a entidade contábil pelo que julga ser o justo em se tratando de Contabilidade.

Dessa forma, o gestor pode se questionar: para que me prender a limites geográficos e contratar um serviço de contabilidade próximo a mim, sendo que posso obter o resultado que eu espero de uma contabilidade e que aquela empresa contábil, lá de Cruzeiro (interior de São Paulo), por exemplo, me entrega mesmo à distância?

É claro que cada parceria tem seus detalhes, cada empresa tem suas necessidades e cada organização contábil tem seus métodos de trabalho. Para algumas parcerias, apesar da distância, é necessário que o Contador se faça presente mais frequentemente. Para algumas empresas, a distância é insuperável, e a necessidade de uma contabilidade que esteja próxima é notória. Porém, o que se observa na relação empresa contratante / escritório contábil, é a troca da proximidade física pela qualidade da proximidade cognitiva.

E, ligando ao início do texto, em resumo, a contabilidade à distância tem tudo para dar certo se os parceiros fizerem dar certo.

Compartilhe:

O que você oferece ao seu cliente?

Resolução de problemas ou expropriação de culpa: o que você oferece ao seu cliente?

Todos nós, seja na vida pessoal ou na vida profissional, oferecemos algo a alguém. Não importa se é um resultado financeiro ou apenas 10 minutos de atenção, sempre oferecemos algo.

No mundo empresarial, competitivo como sempre e implacável como nunca, sempre queremos algo novo. Adquirir algo inovador – seja serviço ou produto – além do benefício em si, traz um benefício intangível, uma sensação de pertencimento e até de elevação de um padrão pré-existente.

Porém, mesmo com a busca pelo novo, o que os clientes realmente querem é resolução de seus problemas! Principalmente se for algum tipo de problema que ele não sabia que tem, ou que pode de vir a ter, a curto, médio ou longo prazo.

Quando trabalhamos com fornecimento de serviços, o resultado é sempre em conjunto, pois o serviço é personalizado. Por mais que seja um serviço prestado para centenas de clientes, o resultado é individual, e quando alcançamos este resultado precisamos nos indagar: eu resolvi o problema, ou apenas evitei a atribuição de responsabilidade?

Resolver problemas é resolver problemas e ponto. É entregar o que precisa ser entregue e, de preferência, com algo a mais que o cliente nem sabia que poderia ter. Mas e expropriação de culpa?

Para mim, este ato é fazer o básico somente para não correr o risco de ser julgado por algo diferente, ou até mesmo não correr riscos de eventuais erros.

Na área contábil parece que esse dualismo é mais claro: eu resolvo o problema do meu cliente ou me isento de estar ao lado dele, me exproprio de uma eventual culpa e deixo que ele se vire sozinho?

Veja, não é ser conivente com o erro, com a fraude ou coisas do gênero. Mas é procurar dar o apoio em todos os momentos, inclusive nos momentos de adversidade.

Mostrar ao cliente que “a causa de tal acontecimento não é minha, não posso resolver” não o fideliza, pelo contrário, é quase um convite a se retirar da parceria. Mas quando buscamos resolver problemas, aí sim, neste ponto, mostramos nosso valor aos clientes e os trazemos para mais perto. Apresentar resultados e resolver problemas é a única maneira sustentável de manter e expandir uma organização, principalmente uma Organização Contábil.

Compartilhe:

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: A SUA EMPRESA PRECISA!!!

No cenário atual de crise, a palavra de ordem nas empresas é Redução de Custos, para que as mesmas possam sobreviver no mundo dos negócios. Muitas fórmulas e medidas drásticas podem até funcionar, mas as chances da empresa perder a qualidade de seus serviços e produtos são enormes.

Na prática, algumas empresas pagam até 34% de impostos sobre o Lucro, podendo ser muito mais, se considerarmos os encargos trabalhistas.

A complexa carga tributária que incide sobre as empresas brasileiras é um desafio para os empreendedores e mesmo no Simples Nacional, um regime tributário diferenciado para pequenas empresas, muitas dúvidas surgem na hora de cumprir com as obrigações fiscais e formação do preço, e por isso o Planejamento Tributário é essencial.

O Planejamento Tributário nada mais é que um conjunto de ações para deixar as empresas legalizadas e regularizadas perante o Fisco, buscando uma forma legal de reduzir a carga tributária e cumprir com o calendário de tributos a pagar.

Por mais difícil que possa parecer, o planejamento tributário trata apenas da organização e economia no pagamento dos tributos. E essa gestão tributária se dá em dois estágios: Operacional e Estratégico.

O Operacional acontece entre a contabilidade e a empresa, traçando procedimentos de análise e apuração dos tributos e cumprimentos de prazos estabelecidos, ou seja, cumprir a correta escrituração das operações e o pagamento dos impostos nos prazos previstos.

O Estratégico precisa ser muito bem elaborado e só acontece se o operacional funcionar. Para isso é necessário um estudo detalhado e aprofundado no objetivo de concluir qual regime tributário mais aplicável a realidade da empresa e imprescindível um bom conhecimento das normas fiscais, trabalhistas, financeiras e civis.

Ao contrário do que muitos pensam, o planejamento tributário é muito mais do que apenas cumprir as obrigações em dia e anotar as receitas e despesas em planilhas. Estamos falando em planejar, e isso envolve conhecer, analisar, estudar e verificar todas as formas existentes de tributação que envolve o seu negócio.

E nesse ponto entra a importância de se contratar um bom profissional que ensine ao menos o básico sobre tributos ou passar diretamente o ofício para uma contabilidade especializada, que possa traçar um Planejamento

Tributário efetivo para a atividade e porte de sua empresa com base em valores reais, permitindo à empresa optar por um regime tributário adequado que reduza a carga tributária de maneira lícita e segura, evitando problemas fiscais e jurídicos, pagamento de multas e até processos penais por sonegação fiscal.

São tantas burocracias tributárias, que mesmo que não haja intenção, é muito difícil seguir a risca todos os procedimentos fiscais, e a linha que separa a diminuição de carga tributária e a sonegação fiscal é tênue. Quanto maior for a empresa e mais complexa a sua atividade (vários tipos de produtos e serviços), mais trabalho o contador terá. É importantíssimo que você e o contador tenham um canal direto de contato e alinhem bem os objetivos.

Planejamento Tributário é saúde para o bolso, pois representa maior capitalização do negócio, possibilidade de menores preços e ainda facilita a geração de novos empregos, pois os recursos economizados poderão possibilitar novos investimentos.

O Planejamento Tributário é uma gestão que não pode faltar em seu negócio! Invista nisso!

Compartilhe: