• 12 3144-1352
  • etecon@etecontabil.com.br

Arquivo por autor

Devo ter cuidado com os demonstrativos DRE fiscal, DRE financeira e DRE Gerencial?

A necessidade de ter informes, faz com que muitas vezes “demonstrativos” sejam desenvolvidos sem o contexto necessário.

  • Sistemas Financeiros (ERP) e a “DRE Financeira”

Um grande mercado de Sistemas de Gestão vem se desenvolvendo com foco principalmente em micro, pequenas e médias empresas, diante da automação das ferramentas impostas pelo Fisco, entre elas podemos citar: SpedNota Fiscal EletrônicaECDE-Social, entre outros.

Ocorre que de uma forma geral, sistema de menor porte (sistemas com um custo mais baixo), não tem a mesma estrutura de sistemas mais robustos, com isso, as informações geradas tendem a ser objetivas e geralmente com fins: FinanceiroEstoque e também para atender a Nota Fiscal Eletrônica.

Muitos desses Sistemas visando atender uma demanda do mercado, acabam por oferecer a DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) o demonstrativo mais importante para qualquer empresa, entretanto, não são estruturados para isso, diante disso, disponibilizam a “DRE Financeira”.

Essa “DRE Financeira”, nada mais é que o Fluxo de Caixa Realizado, na estrutura de uma DRE, ou seja, não atende as exigências da Gestão Empresarial, e acaba por levar empresários a tomar decisões incorretas, visto que, as informações expostas são geradas baseadas no Regime de Caixa.

Muito Cuidado com as informações geradas pelo seu Sistema.

  • Contador e a DRE Fiscal

Empresas de uma forma geral tem por costume terceirizar os Serviços de Contabilidade, com isso, parte das informações e operações realizadas na empresa, acabam por não ser devidamente registradas e as informações geradas pelo escritório de Contabilidade acaba tendo fim específico de atender as exigências do Fisco, muitas vezes sequer são discutidas entre gestores da empresa, exceto quando a carga tributária excede limites padrões da empresa.

  • DRE Gerencial a mais importante

Enfim a DRE Gerencial, esse demonstrativo deve ser estruturado visando atender as tomadas de decisão da empresa, com detalhes previstos atendendo particularidades da empresa.

DRE Gerencial deve ser estruturada com base do Regime de Competência, ou seja, com base no fato gerador e não atrelado a data do pagamento como ocorre na “DRE Financeira”, ainda na DRE Gerencial entre outras rubricas é importante que contemple: Provisões de Contingências, sejam elas trabalhistas, tributárias, entre outras, Depreciação do Ativo Imobilizado, visando o reinvestimento da empresa.

E o mais importante, que a estrutura do Custo dos Produtos Vendidos seja alimentada de forma correta, respeitando a dedução dos impostos creditados na aquisição e contabilizados quando são realizados e não no momento do pagamento como na “DRE Financeira”.

Todos esses detalhes são fundamentais para que entre outras informações importantes para a Gestão possamos extrair:

– Lucro ou Prejuízo

– Margem Bruta

– Margem de Contribuição

– Custo Fixo Total

– Custo Financeiro

– Ponto de Equilíbrio

Entre outras mais informações.

  • Conhecimentos técnicos para estruturar e ler

Tanto para elaborar quanto para ler esse Demonstrativo, é importante que o profissional tenha ao menos noções técnicas de Gestão Empresarial (Administração de EmpresasContabilidade e Economia).

É obvio que esse conhecimento didático agregado a experiência profissional na área é fundamental para “desfrutar” das informações do demonstrativo.

Disponibilizar uma DRE para colaboradores sem o conhecimento técnico é o mesmo que entregar um exame médico/laboratorial a um paciente (eletrocardiograma), apesar de bem elaborado, porém, poucas ou quase nenhuma informação será utilizada.

Texto por: ALMEIDA XAVIER DE SOUSA, Walber. Atenção com os demonstrativos: DRE Fiscal, DRE Financeira e DRE Gerencial. Contabeis, 2020. Disponível em: https://www.contabeis.com.br/noticias/44871/atencao-com-os-demonstrativos-dre-fiscal-dre-financeira-e-dre-gerencial/

Compartilhe:
Pedro ferreira

O empregado pode ser demitido pelo empregador durante a pandemia?

Todos nós sabemos o quanto esse ano foi difícil para muitas empresas que acabaram cedendo e fechando as portas e também aos trabalhadores que ficaram desempregados na pandemia. Com isso, os empregos formais estão tendo um saldo negativo que chegou a 849 mil, mesmo com a criação de 249 mil novos empregos no mês de agosto. A taxa de desemprego no Brasil subiu para 13,3% no trimestre de junho, em meio a impactos do covid-19. Empresas em todo Brasil tiveram que dispensar seus funcionários após drástica queda de produção e demanda.

O empregado pode ser demitido durante a pandemia?

Pode. Em regra o empregador pode decidir demitir ou não demitir seus funcionários. No caso da pandemia é uma nova estabilidade no emprego provisória, daqueles que chegaram a modificação de suas jornadas e salários reduzidos ou seus contratos suspensos, por força da MP 936/20 que depois foi convertida na Lei 14.020/20. Porém, o empregador que realizar alguma demissão, não poderá deixar de pagar a rescisão de contrato de seu empregado, mesmo alegando que seu negocio foi afetado pela pandemia. Vale lembrar que esse valor rescisório não pode ser parcelado e nem diminuído pelo empregador, todos os direitos como: saldo de salário, aviso prévio, 13º salário, multa de 40% sobre FGTS devem ser pagos.

Em casos do empregador optar pela demissão de funcionários em período de estabilidade provisória(redução de jornada ou suspensão de contrato) da lei 14.020/20, ele deverá pagar uma indenização proporcional ao período qu restava de estabilidade para o empregado.

O trabalhador é obrigado a trabalhar integralmente durante a pandemia?

Se o contrato trabalhista não foi modificado por uma negociação coletiva, o profissional deverá cumprir sua jornada de trabalho normalmente.

Muitas dúvidas surgem durante esse período turbulento, com isso a ETECON está aqui para trazer informação a vocês.   

Compartilhe:
Pedro ferreira

ETECON INFORMA XI

Compartilhe:
Pedro ferreira

ETECON INFORMA X

Compartilhe:
Pedro ferreira

Corona Vírus e as novas rotinas de trabalho

Até que ponto de fato a Pandemia atual é o real motivo para as mudanças nas rotinas de algumas funções?

Muito se lê, se escuta e se fala sobre o covid-19, os médicos, os enfermeiros, as máscaras, a disputa política e desumana, o terrorismo midiático, o isolamento social e a tão odiada quarentena.
Mas, pouco se fala sobre quais tipos de oportunidades tudo isso que está ocorrendo ao longo de 90 dias trarão as Empresas e seus Colaboradores.

Há alguns anos atrás (leia-se meses) se alguém dissesse que “o colaborador não precisaria estar na empresa para trabalhar”, os mais conservadores e até mesmos alguns liberais diriam: Um absurdo, afinal o funcionário só trabalha sobre o olhar do chefe!
Hoje, se fez necessário o distanciamento não somente entre chefe e funcionário, mas o distanciamento geral! E adivinha? Não é que o funcionário TRABALHOU.

O futuro nos reserva mudanças muito mais positivas do que negativas. E você, seja empresa ou funcionário, terá de se adaptar, não existe outro caminho! Ele até existe, mas vocês não irão gostar.

Na visão das Empresas, irão economizar absurdos com gastos referentes a estrutura física. Podendo agregar essas diferenças em salários mais altos, mais contratações, engajamento para atrair novos clientes, enfim, há um mar de oportunidades. O mesmo vale para o funcionário. O funcionário terá a liberdade e acima de tudo a responsabilidade de realizar suas rotinas de trabalho do conforto de sua casa (ou qualquer outro lugar), munido de todos equipamentos e ferramentas disponibilizadas pela empresa.
Claro, isso não se aplicará a todos. A mão de obra produtiva deverá estar no local onde ocorre a produção. Já o setor administrativo, poderá estar a quilômetros de distância.
O funcionário terá de se educar, podendo ganhar mais tempo otimizando suas rotinas, agregando novas tarefas, buscando mais oportunidades de ganho de salários. Com todas as mudanças que já tivemos com o advento da reforma trabalhista, o funcionário, desde que se organize, poderá ter mais de um vínculo de trabalho! Estamos falando de dinheiro no bolso e de custos baixos.

A empresa não precisa ver o funcionário trabalhando, ela precisa ver resultado no trabalho desse funcionário! Entenda que o Valor da tarefa realizada não se confunde com o Custo da tarefa. A empresa irá observar isso!

O colaborador, terá de quebrar suas próprias resistências e se adaptar a um mundo tecnológico. Se ontem isso era uma opção, hoje ela é a realidade. Não teremos outro caminho se não abraçarmos de vez a tecnologia, estudarmos cada vez mais (não só legislação, mas toda e qualquer mudança no ramo de tecnologia e informação). E infelizmente, quem não se adequar, ficará para traz, e a distância lá na frente será gigantesca.

Portanto, pensem nas oportunidades e no que você pode se reinventar hoje! Quem sabe não será essa a pergunta que o seu empregador lhe fará amanhã?!

Compartilhe:
Pedro ferreira

ETECON INFORMA IX

Compartilhe:
Pedro ferreira

O programa “Nos Conformes” do Estado de SP

O programa nos conformes é um programa de estimulo à conformidade tributária entre o Fisco e as empresas.

Instituído pela Lei Complementar 1.320/2018, ele operou de forma experimental entre outubro de 2018 e agosto de 2019, e em setembro de 2019, começou a operar de forma oficial.

O programa prevê “orientação, atendimento, auto-regularização, conformidade, controle, aprimoramento dos trabalhos de fiscalização e redução de litigiosidade”.

O projeto propõe também a oportunidade de regularização do contribuinte, antes da emissão de um auto de infração por questões de inadimplência e prevê ações e categorias que enquadram o contribuinte em pontuações de desempenho, e a partir dessa contrapartida o contribuinte terá benefícios e ganhos especiais.

Empresas que estiverem bem classificadas, contarão com uma série de vantagens que podem incluir desde simplificação de processos fiscais, até apropriação de créditos e restituição de impostos, com várias facilidades sendo previstas na lei.

A classificação dos contribuintes do ICMS segue as regras abaixo: 

  • Adimplência: Prazo de Atraso; Omissão de GIA; Atraso de GIA;
  • Aderência: Percentual de aderência; Omissão de EFD; EFD incompleta; Atraso de EFD;
  • Geral: Inadimplência: classificação D = D; Início de atividades menor ou igual a 5 meses = NC; Situação cadastral nulo, inapto, suspenso = E

A definição geral e o entendimento básico da classificação do contribuinte são
clara, mas a pontuação e a forma de contabilização dessa classificação ainda são fatos complexos. De acordo com as diretrizes da lei a classificação pode ter 7 possibilidades: “A+”, “A”, “B”, “C”, “D”, “E” e “NC (não classificados)”.

Por meio do Sistema de Classificações é possível checar a sua classificação online, essa revisão é feita até o 5º dia útil do mês.

A informação de classificação fica disponível publicamente pela Secretaria da Fazenda, para todos os outros contribuintes, salvo a autorização da empresa.

Para saber a classificação de cada empresa, o contribuinte poderá consultar o portal da SEFAZ-SP e visualizá-la por meio da senha do próprio contribuinte ou do contabilista.

Benefícios para a empresa com o Programa “Nos Conformes”:

  • Simplificação de processos fiscais;
  • Apropriação de crédito acumulado;
  • Antecipação da restituição de imposto relativo à substituição tributária;
  • Pagamento do ICMS de substituição tributária de mercadoria de outro estado por conta gráfica;
  • Pagamento do ICMS – importação também por compensação em conta gráfica;
  • Procedimentos mais simples para a renovação de regimes tributários especiais;
  • Inscrição facilitada de novos estabelecimentos no cadastro de contribuintes;
  • Transferência simplificada de crédito acumulado para empresa não interdependente;
  • Várias outras facilidades.

Para usufruir de todos estes benefícios, é importante que seus processos e sistemas fiscais funcionem bem, estejam em sincronia com os seus sistemas de gestão e mantenham suas obrigações com o fisco sempre em dia.

A Secretaria da Fazenda incentivará os contribuintes do ICMS a se auto-regularizarem por meio dos seguintes procedimentos:

Análise Informatizada de Dados – AID, consistente no cruzamento eletrônico de informações fiscais realizado pela Administração Tributária;

 – Análise Fiscal Prévia – AFP, consistente na realização de trabalhos analíticos ou de campo por Agente Fiscal de Rendas, sem objetivo de lavratura de auto de infração e imposição de multa.

Á critério da Secretaria da Fazenda, o contribuinte poderá ser notificado sobre a constatação de indício de irregularidade, hipótese em que ficará a salvo das penalidades previstas.

Resumindo, o programa deseja que os contribuintes tenham um melhor
relacionamento com o Fisco, prestando informações que estejam em compatibilidade com a realidade da empresa. Para que isso ocorra, os contadores devem estar sempre por dentro da operação da empresa, instruindo e questionando as atividades realizadas, bem como os documentos fiscais emitidos para que as obrigações acessórias que forem transmitidas estejam espelhando a realidade e contribuindo para a melhor performance da empresa junto ao Fisco.

Compartilhe:
Pedro ferreira

Qual é a importância de um ERP?

A área contábil lida com processos cada vez mais complexos e com uma extrema necessidade de agilidade, com isso é necessário que o profissional se conecte a todas as outras áreas da empresa. O ERP caminha lado a lado da contabilidade. Empresas que querem oferecer o melhor produto a seus clientes devem possuir um sistema que os auxilie na maximização de seus processos.

Um ERP consegue integrar todos os processos e dados de uma empresa em um único sistema, dessa forma possibilita a interação de todos os departamentos existentes. O intuito é conseguir produzir mais, trabalhando menos.

Para a implantação de um ERP é necessário dividirmos em dois passos em que ambas tem grande importância para a funcionalidade ativa, elas são: implantação e operação.

Implantação

Para inicializar essa etapa é necessário que todos os envolvidos na empresa, estejam maximizando sua atenção para evitar problemas com a interação que novas tecnologias requerem de cada um. Outro problema recorrente muito comum é a aceleração de processos, pois uma implantação demanda tempo e atenção. Querer apressar as coisas, muita das vezes pode não ser a melhor opção.

Operação

O principal objetivo a ser notada nessa etapa é detalhar se o sistema se adere a todas as funcionalidades que sua empresa necessita, informações técnicas nunca são demais e podem evitar problemas futuros para sua equipe em geral.

Para as empresas, os primeiros passos para a modernização é disponibilizar operações em nuvem, automatizar processos e tomadas de decisões com base em dados e estatísticos intuitivas. O software reproduz a facilidade do presente em comparação a dificuldade operacional vista no passado. No futuro próximo, tecnologias como Big Data e Business Intelligence, serão integradas a esses sistemas potencializando cada vez mais as empresas. A ETECON sempre de olho no futuro, se mantém buscando por novas tecnologias e trabalhando com o que há de melhor para atender as necessidades de nossos clientes.

Compartilhe:
Pedro ferreira

Controle de ponto online: Tecnologia auxiliando a gestão.

Nos dias atuais, há várias formas do colaborador de uma empresa registrar sua presença no trabalho, seja através do formato manual, seja por registro eletrônico. Há relógios que funcionam com cartões, há os biométricos que identificam o trabalhador por meio da leitura de impressão digital ou senha digitada no teclado e também o formato online de marcações e controle.

Hoje vamos destacar a versão online que ainda gera algumas dúvidas quanto a sua eficácia e segurança.

O formato online possui acesso pelo computador, celular, ou tablet. O colaborador registra seu ponto, consulta seu saldo de horas em banco, entre outras ferramentas possíveis e o gestor controla as marcações, sendo que, em todos os casos, podem fazê-lo de onde estiver.

Com a versão online é possível verificar a localização e o horário em que o colaborador registrou sua batida evitando assim possíveis fraudes e também acompanhar em tempo real as jornadas de trabalho de sua equipe, controlando assim as horas extras, atrasos, ausências, etc.

Esse tipo de sistema, normalmente possui suporte online para auxiliar os gestores na geração de relatórios, cadastros, configurações e demais dúvidas que surgem no dia a dia.

Também podemos destacar como benefício do formato online, a economia de tempo com a gestão da jornada de trabalho, visto que os próprios colaboradores lançam as suas solicitações de atestados, declarações e ajustes de marcações, bastando ao gestor apenas aprovar ou reprovar essas solicitações, além de não ser mais necessário ter um computador específico para configurar o envio e recebimento de informações do relógio, onde corria-se o risco de perder informações em caso de um problema técnico na máquina configurada, já que para a versão online é necessário apenas um login e senha e o sistema pode ser acessado de qualquer lugar, como já dito anteriormente.

Caso a empresa opte por adquirir o formato online, é importante verificar se o sistema em questão é seguro juridicamente, ou seja, se está em conformidade com as exigências do MTE e as respectivas portarias que trata das jornadas de trabalho.

Antes de optar pelo formato mais compatível com o seu negócio, pesquise as empresas que ofereçam sistema de ponto, entre em contato, tire suas dúvidas e converse com quem já utiliza a versão de seu interesse, isso irá ajudar muito na hora de decidir por qual formato implantar.

Ainda com dúvidas sobre o melhor sistema de controle de ponto de seus funcionários? Entre em contato com a ETECON! lhe ajudaremos da melhor maneira para que seus resultados sejam efetivos.

Compartilhe:
Pedro ferreira

IRPF 2020: Você está obrigado a declarar?

Na última Segunda-Feira 02 de Março, iniciou-se o processo para entrega da declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física referente ano calendário 2019, prazo este que permanece até o dia 30 de Abril de 2020.

O IRPF é motivo de muitas dúvidas para a maioria dos contribuintes, a maneira sobre como proceder e a obrigatoriedade da entrega da declaração, têm sido alguns dos principais questionamentos e com as mudanças que ocorreram para a nova declaração é preciso estar ainda mais atento quanto ao procedimentos das obrigações, por este motivo a ETECON preparou um guia sobre as principais mudanças para o IRPF 2020 e aqueles que estão obrigados a declarar.

Mudanças na declaração do IRPF 2020

– Até a declaração enviada no ano passado, no que diz respeito aos dependentes, era obrigatório a apresentação do CPF somente de crianças a partir dos 12 anos.  A novidade para 2020 neste ponto é que o CPF passa a ser obrigatório para qualquer criança independente da faixa etária.

– Será solicitado na declaração informações mais detalhadas a respeito da posse de imóveis e veículos. No caso dos bens imóveis o contribuinte deverá apresentar: data de aquisição, registro de inscrição em órgão público e no cartório área do imóvel e no caso de veículos será necessário informar o número do RENAVAM.

– Para o ano de 2020 a Receita Federal irá antecipar o calendário de restituição, diferente do ano passado em que as restituições iniciaram em 17 de junho e terminaram em 16 de dezembro, para este ano o primeiro lote será em 29 de maio e o último em 30 de setembro. Outra mudança em relação a restituição é referente ao número de lotes, que cai de sete para cinco.

Quem está obrigado a declarar:

– Receberam rendimentos tributáveis (como salários e aluguéis), cuja soma anual foi superior a R$ 28.559,70.

– Receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte (por exemplo: indenizações trabalhistas, caderneta de poupança ou doações) em valor superior a R$ 40 mil.

– Obtiveram, em qualquer mês, ganhos na venda de bens ou direitos sujeitos à incidência de Imposto de Renda, como imóveis vendidos com lucro.

– Realizaram operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas (investimentos).

– Tiveram, em 2019, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural.

– Tinham, em 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil.

– Passaram à condição de residentes no Brasil em qualquer mês e, nessa condição, encontravam-se em 31 de dezembro de 2019.

 É importante salientar que mesmo o prazo sendo abrangente, quanto antes se antecipar a declaração maior é a possibilidade de se antever a possíveis imprevistos, e ainda para aqueles que tiverem restituição o valor é creditado logo nos primeiros lotes. É muito importante contar com a ajuda de um profissional da área que está inserido na rotina das declarações à Receita Federal, neste ponto a ETECON se dispões com profissionais capacitados e pronto a atender todas as necessidades relacionadas ao IRPF 2020.

Na Segunda-feira 02 de Março, a ETECON concedeu uma entrevista a TV Canção Nova a respeito do IRPF 2020.

Confira abaixo na íntegra:

Compartilhe:
Pedro ferreira